Extensão – Astronomia e sociedade

A Extensão Universitária visa permitir que a Universidade e a sociedade comuniquem-se e compartilhem saberes, conhecimentos e valores. Como financiadores da Universidade pública, gratuita e democrática, é direito de cada cidadão ter acesso ao conhecimento produzido nas universidades e é dever de cada profissional que nelas laboram, promover a difusão deste conhecimento ao público, seja através de atividades artísticas, científicas, cursos, eventos, palestras ou quaisquer outras que sejam inclusivas à sociedade.

1- Histórico

A interação entre o observatório e a comunidade iniciaram-se no começo da década de 1960, sob a forma de cursos de fotografia astronômica e palestras de divulgação da Astronomia para escolas dos níveis fundamental e médio.

Na década de 1970, a prestação de serviço à comunidade pelo observatório tornou-se bastante conhecida por sediarmos aqui um relógio atômico, que fornecia a hora exata por ligação telefônica, em convênio com a Cia. Telefônica Brasileira. À época, o serviço tinha média diária de 30 mil consultas telefônicas.

Também tiveram grande apelo para o público as campanhas observacionais dos cometas Kohoutek, em 1973, e Halley, em 1986.

A partir de 1998, as atividades de extensão passam a ser tratadas como parte de um programa institucional, com coordenadoria própria. Houve a criação de um programa noturno para receber um pequeno grupo de participantes da ONG VIVA RIO . Devido ao sucesso alcançado e motivados pelos resultados, decidimos disponibilizá-lo para escolas, priorizando as da rede pública. Assim foi criado o Projeto de Visitação Orientada Descobrindo a Astronomia. Com o tempo percebemos que visitas diurnas seriam necessárias para atendermos escolas localizadas em bairros de acesso perigoso ao entardecer. Com o objetivo de viabilizar as visitas diurnas e enriquecer as noturnas adquirimos, com auxílio da VITAE, um planetário inflável surgindo assim o Projeto Astros a Serviço das Ciências. Posteriormente foram implantados os projetos Observatórios Virtuais e Astronomia na Vila.

Os projetos inicialmente eram voltados principalmente às escolas municipais e estaduais, e nestes anos de atividades geraram muitos frutos, tais como a criação de várias oficinas e cursos direcionados à capacitação de professores do ensino médio e fundamental. Paralelamente também temos como finalidade levar conhecimento de qualidade de forma lúdica à uma população que tem pouco ou nenhum acesso a este tipo de aprendizado e lazer. Nesse sentido, o Observatório do Valongo realizou duas grandes exposições no Centro Cultural dos Correios, em 2009 e 2012, onde recebemos um público acima de 13.000 pessoas em um mês de duração, em cada uma delas.

2- Programas, projetos e eventos de extensão em andamento
  • Anita Lyra: Buscando entender o Universo
  • Astronomia para Poetas 2017
  • Astros à serviço das Ciências
  • Capoeira de Angola no Observatório do Valongo e a Interação com o Morro da Conceição
  • Inclusão de deficientes visuais na visitação ao Observatório do Valongo
  • O sistema de press release em astronomia da UFRJ
  • Observatório do Valongo de portas abertas – Programa de Visitação Pública
  • ViU – Vida no Universo
  • Semana de Marte e Semana dos Planetas Gigantes
  • Recepção do Equinócio
  • Sábado Astronômico
    2.1 – Projeto Anita Lyra: Buscando entender o Universo

    Coordenação: Prof. Alexandre Lyra
    Resumo do projeto: O projeto iniciou-se em  2012 na APAE-Benfica. Iniciou-se através de palestras explorando de forma acessível, para os estudantes portadores de necessidades especiais da APAE de Benfica temas relacionados com a Astronomia, por exemplo, Sistema Solar, Universo, Galáxias, Estrelas, Planetas, etc. Pretende-se que através do conhecimento científico, possamos desperta-lhes o desejo de melhor entender o Universo, e consequentemente engajá-los no estudo de Ciências, como a Astronomia. Realizar-se-ão oficinas (por exemplo, ‘Bingo’ sobre o Sistema Solar) e atividades práticas onde os estudantes, de forma ativa possam assimilar os conhecimentos a serem repassados. Serão promovidas visitas a nossa Instituição (OV/UFRJ), para pequenas observações astronômicas, através dos telescópios do Observatório. Uma de nossas metas mais imediatas é a participação ativa do público-alvo na confecção de modelos onde possam elaborar réplicas do Sistema Solar em escalas proporcionais ao real. Deste trabalho pretendemos seguir na metodologia para outras escalas do universo, como a nossa galáxia. Desejamos que este conhecimento e esta interação possa contribuir para a inclusão social e formação destes estudantes especiais procurando motivá-los ainda mais para se dedicarem ao seu aprendizado geral. Desenvolve-se o conceito de ‘educação inclusiva’, pois serão repassados conhecimentos científicos, em nível que eles possam compreender. Objetiva-se que com isto seja reforçado o seu aprendizado para a sua colocação no mercado de trabalho, através da valorização do saber científico e como consequência do saber de uma maneira geral.

    2.2 – Projeto Astronomia para poetas 2017

    Coordenação: Profa. Silvia Lorenz-Martins
    Resumo do projeto: O primeiro Ciclo de Palestras Astronomia para Poetas se iniciou no ano de 2002 em parceria com a Casa da Ciência da UFRJ. Dando continuidade ao sucesso da série, outros ciclos foram produzidos entre os anos de 2009, 2011, 2014,  2015 e 2016. O principal foco das palestras é levar ao grande público, em linguagem acessível, os mais belos e interessantes resultados das pesquisas sobre o Universo. Para tal, o ciclo de palestras contempla tópicos variados em Astronomia e todas as palestras são ministradas por astrônomos e professores do Observatório do Valongo.
    Adicionalmente, importante material de divulgação de Astronomia, com base nas palestras, tem sido produzido pelos professores a partir do ano de 2009. Já contamos com dois volumes editados e publicados da revista Astronomia para Poetas, respectivamente nos anos de 2012 e 2014. Estas produções contaram com o apoio da Coordenadoria de Comunicação da UFRJ (CoordCOM UFRJ) e se encontram em http://www.ov.ufrj.br/livros/ .

    Abaixo o cronograma previsto para 2019.
    As datas das apresentações do Ciclo de Palestras Astronomia para Poetas de 2019 estão associadas com as datas de observação do céu dentro do Programa de Visitação Pública. As palestras têm início às 18 horas, exceto na vigência do horário de verão, quando começam às 19 horas.

      20/03/2019 : Interestelar: o espaço entre as estrelas é vazio?: Dra. Silvia Lorenz-Martins

      03/04/2019: Poeira cósmica: Dra. Silvia Lorenz-Martins

      17/04/2019: A ciência oculta das ocultações estelares: Dr. Marcelo Assafin

      08/05/2019: Berçários Estelares: Dr. Gustavo Dopcke

      22/5/2019: 100 anos do eclípse de Sobral: Dr. Rundsthen Vasques de Nader

      05/06/2019: Estrelas: Dra. Silvia Lorenz-Martins

      19/06/2019: A Sonda Cassini nos Satélites de Saturno: Dr. Adrían Colucci

      07/08/2019: A Máquina Perfeita: Dr. Paulo Lopes

      21/08/2019: O Universo no contexto da origem dos elementos químicos da tabela periódica: Dra. Diana Andrade

      04/09/2019: Alquimia Estelar: Dr. Hélio Rocha-Pinto

      18/09/2019: À luz das estrelas: MSc. Maria Ubaldo

      02/10/2019: A Terra é plana?? Astronomia na era das fake news: Dr. Thiago S. Gonçalves

      16/10/2019: Vamos para a Lua?: Dr. Daniel Mello

      06/11/2019: Diversidade na ciência: o Brasil e o mundo da Astronomia: Dra. Karín Menéndez-Delmestre

      20/11/2019: Os pilares da cosmologia moderna: Dr. Wagner Marcolino

      04/12/2019: Vida no Universo: A Busca do Micro no Macro: Dr. Luan Ghezzi

      2.3 – Projeto Astros à serviço das ciências

      Coordenação: Dr. Rundsthen Vasques de Nader, astrônomo
      Resumo do projeto: Iniciado em 2001. Após serem ouvidas as necessidades do professor interessado na visita, o programa para aquele particular grupo é preparado com indicações do que deve ser trabalhado ainda na escola, a fim de motivar os alunos para a visitação. No programa há duas oficinas, uma sessão de Planetário Inflável, visita aos Telescópios e Relógios Solares e Observação do Sol. Os professores contam com apoio da equipe do Observatório do Valongo para esclarecimentos posteriores e continuidade do trabalho em sala de aula.

      2.4 – Projeto  Capoeira de Angola no Observatório do Valongo e a interação com o morro da Conceição

      Coordenação: Prof. Adrían Colucci
      Resumo do projeto: A Capoeira Angola é uma manifestação cultural afro-brasileira composta de movimentos físicos, dança, musicalidade e filosofia de vida. Através de diversas atividades, a Capoeira Angola promove a inserção social de crianças e adultos, além de exercitar e fortalecer o trabalho em coletividade. Dentre outros objetivos ligados a ações afirmativas, a prática da Capoeira tem a missão de lutar contra a discriminação racial e de gênero, promovendo pesquisas, discussões e debates dentro e fora do grupo. Através da Capoeira, exploraremos a possibilidade de integrar a cena cultural local em rede com outras iniciativas existentes, bem como ampliar as ações da UFRJ com seu entorno.

      2.5 – Inclusão de deficientes visuais na visitação ao Observatório do Valongo

      Coordenação: Profa. Silvia Lorenz-Martins
      Resumo do projeto: O Observatório do Valongo/UFRJ possui uma coleção de instrumentos científicos, livros e placas fotográficas que merecem atenção especial. Tal acervo teve manutenção adequada para que a história institucional fosse preservada e difundida através de visitas guiadas. Ao longo dos anos, graças a uma parceria com o MAST/MCTI (Museu de Astronomia e Ciências Afins) e ao apoio financeiro da FAPERJ, pudemos realizar diversas etapas para a manutenção e registro da coleção. A coleção recebeu tratamento museológico na sua catalogação; Houve ampliação física do museu com a criação de novas áreas expositivas; A coleção foi inserida na Base Minerva; Publicamos um Catálogo contendo os instrumento científicos do Observatório do Valongo-UFRJ, o qual foi distribuído a todas as instituições brasileiras (e algumas portuguesas) onde há atividades de Astronomia; Foi criado uma exposição virtual da coleção; Elaboramos do Guia do Visitante, com texto escrito em linguagem acessível ao público leigo (ainda não publicado); E finalmente, desenvolvemos material tátil para receber visitantes com deficiência visual. Assim, nessa nova etapa do projeto além da visita guiada ao acervo, os visitantes portadores de deficiência visual também terão noções introdutórias sobre astronomia. Para tal fim programamos palestras direcionadas e material tátil desenvolvido por estudantes para tornar a visita guiada mais proveitosa.

       2.6 – O sistema de press release em astronomia da UFRJ

      Coordenação: Prof. Thiago S. Gonçalves
      Resumo do projeto: Neste projeto, propomos a implantação de um sistema de press releases para a divulgação da pesquisa em Astronomia realizada na UFRJ. Os textos serão redigidos pelos bolsistas graduandos selecionados, após edição do supervisor do projeto, e com colaboração dos líderes em pesquisa dentro da própria comunidade da UFRJ. Desta forma, buscamos aproveitar a visibilidade intrínseca à área de Astronomia para divulgar a ciência produzida em nossa universidade, valorizando nossa pesquisa frente ao monopólio na mídia em geral da Astronomia desenvolvida nos grandes centros dos Estados Unidos e Europa. Simultaneamente o projeto permitirá aos estudantes desenvolver suas habilidades de divulgação científica e redação de textos de popularização de ciência, parte integral de nosso bacharelado.

      2.7 – Observatório do Valongo de portas abertas: Programa de Visitação Pública

      Coordenação: Dr. Daniel Mello, astrônomo
      Resumo do programa:O Observatório do Valongo iniciou seu Programa de Visitações Públicas no dia 10 de março de 2015. Os Objetivos do programa são inserir o Observatório do Valongo no circuito cultural da nova Zona Portuária da cidade do Rio de Janeiro e aproximar o público leigo da Astronomia, ciência que desperta enorme interesse, fascínio, mas que é pouco compreendida pela população e ainda pouco divulgada pelos meios de comunicação.

      O Programa de Visitação Pública compreende duas atividades: a visita guiada diurna às dependências do Observatório e as sessões de observações noturnasdos astros. A visita diurna ocorre de terça-feira à sexta-feira das 11 até as 16 horas, excluindo feriados. As observações noturnas dos astros ocorrem todas as quartas-feiras, das 18 às 21 horas, exceto na vigência do horário de verão, quando começam às 19 horas.  Visitas de escolas e de grupos contando com mais de 10 pessoas devem ser previamente agendadas através do tel. 2263-0685, ramal 236 ou pelo email mello@astro.ufrj.br.

      2.8 – Projeto ViU – Vida no Universo

      Coordenação: Prof. Gustavo Porto de Mello
      Resumo do projeto: O projeto Vida no Universo (Projeto ViU) apresenta e populariza algumas das questões centrais que envolvem atualmente a busca de vida extraterrestre. Tal busca é uma importante motivação da exploração atual do Sistema Solar, e que ganhou uma força extraordinária com a descoberta, nas últimas décadas, de milhares de planetas em outras estrelas, muitos com características potencialmente habitáveis. Um aspecto especialmente fascinante da época moderna é a nítida possibilidade de que algumas das respostas a essas perguntas podem estar finalmente ao alcance do engenho humano e de sua cada vez maior capacidade de explorar o Universo. O Projeto apresenta uma visão atual da ciência da Astrobiologia através de uma Linha do Tempo, dividindo o intervalo de 13,7 bilhões de anos entre o surgimento do Universo e a emergência de vida inteligente na Terra em uma série de eventos fundamentais, que tiveram que ser conquistados para que a vida pudesse surgir e evoluir. Você também encontrará uma página de Dúvidas Frequentes, explicando as principais questões da astrobiologia atual e fornecendo material extra de leitura, pesquisa adicional e aprofundamento temático. Incluímos também um glossário com os termos científicos mais comuns que aparecem nos textos e um canal de contato direto para os criadores do site, permitindo tirar dúvidas, fazer críticas e perguntas, e se informar sobre as atuais publicações e novidades sobre o tema.

      2.9 – Projeto Daqui pras Estrelas (Mars Academy)

      Coordenação institucional: Dr. Daniel Mello – astrônomo
      Resumo do projeto: Daqui pras estrelas é um projeto de extensão do Observatório do Valongo em parceria com outras instituições nacionais e internacionais. O objetivo do projeto é o de inspirar jovens moradores de áreas carentes, no Rio de Janeiro, visando acender a centelha da curiosidade científica nestes jovens, objetivando que isto os leve a uma carreira em ciência e tecnologia, e mobilidade social por educação. Estes se tornarão exemplos em suas comunidades, inspirando outros jovens a reproduzir seus sucessos.
      A primeira fase do projeto foi realizada no primeiro semestre de 2015. Nesta oportunidade, o projeto atendeu a 18 jovens da Cidade de Deus, com idades entre 12 e 16 anos, ao proporcionar-lhes a oportunidade de entrar em contato com a ciência de ponta que se faz hoje em dia na NASA sobre a exploração de Marte. Devido a este enfoque, o projeto recebeu o nome de Mars Academy. Cientistas internacionais atualmente envolvidos na exploração do planeta vermelho utilizando tecnologias da NASA estiveram no Rio de Janeiro durante a semana de 22 a 26 de junho, ensinando e engajando esses jovens no mundo científico. Ao final, os alunos escolheram regiões em Marte para serem observadas com a câmera HiRISE.
      Na segunda fase do projeto, que terá continuidade na Cidade de Deus, os jovens receberão um curso de extensão em Astronomia básica, com aulas semanais. O curso será ministrado por astrônomos do Observatório do Valongo e contará com sessões de planetário inflável, observação do céu com telescópios e oficinas didáticas.
      A página do Mars Academy no facebook pode ser acessada no link: https://www.facebook.com/MarsAcademyBrazil

      3.0 – Semana de Marte e Semana dos Planetas Gigantes>

      Coordenação: Daniel Mello e Gustavo F. Porto de Mello
      Resumo do evento: A Semana de Marte e a Semana dos Planetas Gigantes são eventos de extensão realizados em anos alternados entre si. Esta série começou em 2014 com a realização da semana de Marte e teve, neste último ano de 2017, a realização da Semana dos Planetas Gigantes. O evento, com duração de uma semana, oferece ao público um conjunto de palestras e sessões de observação dos astros. Eles são realizados em períodos apropriados, relacionados aos  momentos mais propícios de observação dos planetas Marte (Semana de Marte), Júpiter e Saturno (Semana dos Planetas Gigantes). O evento recebe ainda o apoio de alunos de graduação e pós-graduação nas atividades desenvolvidas.

      3.0.1 – Semana dos Planetas Gigantes

      A última edição do evento ocorreu entre os dias 03 a 06 de julho de 2019. Na ocasião, mais de uma centena de pessoas estiveram ao Observatório do Valongo e puderam ver de pertinho, ao telescópio, a Lua, belos conjuntos de estrelas e os planetas Júpiter e Saturno. O destaque foi a apresentação musical “Os metais da Galáxia” com o quinteto de metais da Escola de Música da UFRJ no sábado dia 07, último dia do evento.

      Foram realizadas 4 palestras abordando os temas Estrelas, Planetas Gigantes, Vida no sistema solar e 50 anos do homem na Lua, segundo cronograma a seguir:
      03/07 – 18h: Os planetas gigantes (Dr. Gustavo F. Porto de Mello)
      04/07 – 18h: A busca de vida no Sistema Solar (Dr. Luan Ghezzi)
      29/06 – 18h: As estrelas (Dr. Wagner Marcolino);
      06/07 – 17h: 50 anos do homem na Lua (Mestre Naelton Araújo);

      2.1 – Sábado Astronômico no Observatório do Valongo

      Coordenação: Dr. Daniel Mello
      Resumo do evento: O Sábado Astronômico permite ao público a oportunidade de conhecer o Observatório do Valongo e participar de suas atividades voltadas à divulgação da ciência nos finais de semana. Esse evento ocorre sempre no primeiro sábado de cada mês (exceto em feriados e recessos) e teve início a partir de abril de 2019. Com grande sucesso, o evento brinda o público com diversas atividades em Astronomia como palestras, sessões de observação solar, visita guiada ao espaço museológico e à Coleção de Instrumentos Científicos, apresentações com interface Arte/Astronomia, palestras, oficinas e sessão noturna de observação dos astros com telescópios .








Calendário de Fenômenos Astronômicos – 2019

O Calendário de Fenômenos Astronômicos 2019 do Observatório do Valongo contém as principais dicas para observações dos astros, como planetas, estrelas, constelações, cometas, chuvas de meteoros, eclipses e fases da Lua. Além de mostrar, mês a mês, os eventos mais interessantes, o Calendário contém também, mapas indicando a posição dos astros para cada estação e dados importantes sobre as fases da Lua e as chuvas de meteoros mais relevantes. A versão em pdf contém ainda informações sobre atividades planejadas para o público em 2019.

Clique aqui para baixar a versão pdf.

Acompanhe, abaixo, mês a mês, quais as principais atrações astronômicas para 2019:

Janeiro
01- Conjunção* entre Vênus e Lua (*todos os termos em asterisco estão explicados no glossário,na parte final);
02- Saturno em Conjunção com o Sol;
03-Periélio da Terra (ponto de maior proximidade do Sol);
03- Chuva de meteoros Quadrantidas;
03- Lua, Vênus, Júpiter e Mercúrio formarão belo alinhamento antes do amanhecer na direção leste;
06- Vênus em máxima elongação* (direção leste, antes do amanhecer)
06- Eclipse solar* parcial: visível apenas no Japão, Coréias, extremo leste da Rússia, Mongólia e China, norte do oceano pacífico e trecho oeste do Alaska;
21- Lua Cheia em evento de Superlua*;
21 – Eclipse lunar* total: visível no extremo oeste e norte da Europa e África, em todas as Américas, incluindo toda a extensão do território brasileiro. No Rio de Janeiro a faixa de totalidade do eclipse terá início às 01h 34min e término às 04h 50min;
22- Conjunção entre Vênus e Júpiter: os planetas estarão separados por 2,5º na constelação de Escorpião antes do amanhecer, à leste;
30 – Conjunção entre Júpiter e Lua;
31 – Conjunção entre Vênus e Lua (neste dia, Vênus, Júpiter, Lua e a estrela Antares estarão alinhados, formando belo conjunto antes do nascer do Sol);
No OV: A noite do Eclipse da Lua – 20/21 de janeiro

Fevereiro
02 – Conjunção entre Saturno e Lua;
12 – Conjunção entre Marte e Urano (os planetas estarão separados por 58’ à oeste, no começo da noite, na constelação de Peixes);
18 – Conjunção entre Vênus e Saturno (os planetas estarão separados por 1,5º à leste, antes do nascer do Sol, logo abaixo de Júpiter);
19- Lua Cheia em evento de Superlua*;
27 – Mercúrio em máxima elongação (direção Oeste, no começo da noite);
27 – Conjunção entre Júpiter e Lua;

Março
01 - Conjunção entre Saturno e Lua;
01 – Alinhamento quádruplo entre Júpiter, Lua, Saturno e Vênus (antes do nascer do Sol, à leste);
02 – Conjunção entre Vênus e Lua;
07 – Netuno em Conjunção com o Sol;
20 - Início do Outono às 19h 58 min (horário de Brasília);
20 - Início do Outono às 19h 58 min (horário de Brasília);
20 - Início do Outono às 19h 58 min (horário de Brasília);
No OV: Início do Ciclo de Palestras Astronomia para Poetas 2018;
No OV: IV Curso de Introdução à Astronomia

Abril
02 – Conjunção entre Vênus e Lua;
08 – Encontro entre Lua, Marte e o aglomerado de estrelas Plêiades (à oeste, no começo da noite);
10 – Conjunção entre Vênus e Netuno (os planetas estarão separados por 17’ à leste, antes do nascer do Sol);
11 – Mercúrio em máxima elongação (direção leste, antes do amanhecer);
16 – Conjunção entre Mercúrio e Vênus ( os planetas estarão separados por 4º à leste, antes do amanhecer);
22- Chuva de meteoros Liridas;
23 – Urano em Conjunção com o Sol;
23 – Conjunção entre Júpiter e Lua;
25 – Conjunção entre Saturno e Lua;

Maio
03 – Conjunção entre Mercúrio e Lua;
06 – Chuva de meteoros Eta-Aquaridas;
07 – Conjunção entre Lua e Marte;
08 – Quatro astros brilhantes em sequência na mesma noite: Júpiter, Saturno, Marte e Lua (visíveis após as 03h);
19 – Conjunção entre Urano e Vênus (os planetas estarão separados por 1,5º, à leste, antes do nascer do Sol);
20 – Conjunção entre Lua e Júpiter;
22- Conjunção entre Lua e Saturno;
No OV: II Curso de Introdução à Astrofotografia

Junho
01 – Conjunção entre Vênus e Lua;
05 – Conjunção entre Marte e Lua;
10 – Júpiter em oposição*;
13 – Marte, Mercúrio e as estrelas Pollux e Castor formarão um quadrilátero no horizonte oeste, na constelação de Gêmeos, no começo da noite;
18 – Conjunção entre Mercúrio e Marte (os planetas estarão separados por 15 ́ (depois do pôr do Sol, à oeste) na constelação de Gêmeos;
19 – Conjunção entre Lua e Saturno;
21 – Início do inverno às 13h 54min (horário de Brasília);
23 – Mercúrio em máxima elongação (direção oeste, no começo da noite;
No OV: I Curso em Astrobiologia)

Julho
02 – Eclipse Solar* total: visível na região tropical sul do oceano pacífico, parte da Oceania, Chile e Argentina. No Brasil, haverá eclipse parcial do Sol, visível nas regiões Sul, Centro Oeste e parte das regiões Sudeste, Norte e Nordeste. No Rio de Janeiro, o Sol ficará apenas 8% encoberto; o eclipse parcial terá início às 17h 03min e término às 18h 42min, quando o Sol já estará abaixo do horizonte;
04 – Terra no afélio (ponto de maior afastamento do Sol);
05 – Conjunção entre Mercúrio e Marte (os planetas estarão separados por 4º, no horizonte oeste, no começo da noite);
10 – Saturno em oposição;
16 – Eclipse lunar parcial: visível na África, Europa, Ásia, parte da América central e em toda a América do Sul. No Rio de Janeiro, o eclipse terá início às 17h (quando a Lua ainda estará abaixo do horizonte) e terá término às 19h 59min;
21 – Mercúrio em conjunção inferior com o Sol;
28 – Chuva de meteoros Delta-Aquaridas;
No OV: Eclipse solar parcial – 02 de julho;
No OV: Semana dos Planetas Gigantes – 04 a 07 de julho;
No OV: A noite do eclipse da Lua – 16 de julho);

Agosto
09 – Conjunção entre Júpiter e Lua;
09 – Mercúrio em máxima elongação (à leste, antes do nascer do Sol);
10 – Lua posicionada entre os planetas Júpiter e Saturno no começo da noite;
12 – Chuva de meteoros Perseidas;
12 – Conjunção entre Lua e Saturno;
14-Vênus em conjunção superior com o Sol;


No OV: I Curso de Cosmologia e Galáxias);

Setembro
02 – Marte em conjunção com o Sol;
04 – Mercúrio em conjunção superior com o Sol;
08- Conjunção entre Lua e Saturno;
10 – Netuno em oposição;
23 – Início da primavera às 04h 50 min (horário de Brasília);

Outubro
03 – Conjunção entre Júpiter e a Lua;
20 – Mercúrio em máxima elongação (à oeste, ao anoitecer);
21 – Chuva de meteoros Orionidas;
28 – Urano em oposição;
29 – Mercúrio, Vênus e Lua formarão belo triângulo no horizonte oeste logo após o pôr do Sol;
30 – Conjunção entre Mercúrio e Vênus (os planetas estarão separados por 2º (horizonte oeste, no começo da noite);
31 – Conjunção entre Lua e Júpiter.

Novembro
02 – Conjunção entre Lua e Saturno;
05 – Chuva de Meteoros Tauridas;
11- Mercúrio em conjunção inferior com o Sol;
11 – Trânsito* de Mercúrio em frente ao Sol: o trânsito será visível em todas as Américas, África, Europa e Oriente médio; No Rio de Janeiro o evento terá início às 10h 35min e término às 16h 04 min;
17 – Chuva de meteoros Leonidas;
21-Vênus, Júpiter e Saturno em belo encontro no oeste, no começo da noite;
23 – Conjunção entre Vênus e Júpiter (os planetas estarão separados por 1,8º no horizonte oeste, no começo da noite);
24 – Conjunção entre Lua e Marte;
28 – Conjunção entre Lua e Júpiter;
No OV: O trânsito de Mercúrio – 11 de Novembro);

Dezembro
10 – Conjunção entre Vênus e Saturno (os planetas estarão separados por 2º no horizonte oeste, no começo da noite);
14 – Chuva de meteoros Geminidas;
22 – Início do verão às 02h 19min (horário de Brasília);
26 – Eclipse solar anular: A faixa de totalidade será visível no oriente médio, Índia, sudeste asiático e Oceania; Invisível no Brasil;
27 - Júpiter em conjunção;
27 – Lua posicionada entre os planetas Vênus e Saturno no horizonte oeste, no começo da noite;
29 – Conjunção entre Lua e Vênus;

O céu de cada estação

Reproduzimos, para o período médio de cada estação, os mapas do céu para observação dos astros na cidade do Rio de Janeiro, às 20h, embora possam ser utilizados nas demais cidades do Brasil, com algumas alterações. Para cada mapa, indicamos os pontos cardeais para correta orientação dos mesmos. Indicamos também, através de símbolos adequados, os astros em destaque para observação em cada período ou estação. Sugerimos ainda, para cada mapa, o modo mais satisfatório para observação desses astros, seja através de observação a olho nu, por meio de binóculos ou telescópios.

Alguns fenômenos, por serem variáveis, não estão indicados nos mapas, como as posições da Lua e dos cometas e a ocorrência de chuvas de meteoros. Para estas últimas, recomenda-se a visualização a olho nu. Por outro lado, para ver detalhes na superfície da Lua, como montanhas e crateras, e para observação de cometas, sugerimos o uso de binóculos e telescópios.

A legenda abaixo contém a caracterização dos símbolos que serão utilizados em cada mapa:


Para utilizar o mapa, coloque-o acima da cabeça e oriente a borda direita na direção do horizonte do pôr do sol (horizonte Oeste, O). Créditos dos mapas: Chris Peat e Heavens-Above.com. Adaptação e legenda: Daniel Mello e Observatório do Valongo.


Verão
Marte, constelações de Órion, Touro (Taurus), Gemêos (Gemini), Pégaso (Pegasus), Cão Maior (Canis Major), Carina, Grou (Grus), Vela, Baleia (Cetus) e Andrômeda;
Marte, Galáxia* de Andrômeda, aglomerado* Plêiades e Nebulosa* de Órion. ;


Outono
Júpiter, Constelações de Órion, Gemêos (Gemini), Leão (Leo), Cão Maior (Canis Major), Carina, Centaurus, Cruzeiro do Sul (Crux), Vela, Virgem (Virgo), Ursa Maior e Boieiro (Bootes);
Nebulosa de Órion, Aglomerado Caixinha de Jóias, nuvens e luas de Júpiter, aglomerado Ômega Centauri.


Inverno
Júpiter, Saturno, constelações de Centaurus, Cruzeiro do Sul (Crux), Virgem (Virgo), Boieiro (Bootes), Libra, Hercules, Escorpião (Scorpius), Sagitário (Sagitarius), Pavão (Pavo), Águia (Aquila), Corvo, Lyra e Cisne (Cygnus);
Aglomerado Caixinha de Jóias, nuvens e luas de Júpiter, aglomerado Ômega Centauri, luas e anéis de Saturno, aglomerado M7.


Primavera
Vênus, Júpiter, Saturno, constelações de Centaurus, Escorpião (Scorpius), Sagitário (Sagitarius), Águia (Aquila), Lyra, Cisne (Cygnus), Baleia (Cetus), Pégaso (Pegasus), Áries, Andrômeda e Grou (Grus);
Nuvens e luas de Júpiter, luas e anéis de Saturno, aglomerado M7, fases de Vênus e galáxia de Andrômeda.

Fases da Lua

Esta tabela contém a data de início de todas as fases da Lua para 2018 (horário de Brasília). Datas e horários já corrigidos para períodos com vigência do horário de verão.

Lua Nova Quarto Crescente Lua Cheia Quarto Minguante
05 Jan 23:28 14 Jan 04:45 21 Jan 03:16 27 Jan 19:10
04 Fev 19:04 12 Fev 19:26 19 Fev 12:53 26 Fev 08:28
06 Mar 13:04 14 Mar 07:27 20 Mar 22:43 28 Mar 01:10
05 Abr 05:50 12 Abr 16:06 19 Abr 08:12 26 Abr 19:18
03 Mai 23:45 11 Mai 22:12 18 Mai 18:12 26 Mai 13:33
03 Jun 07:02 10 Jun 02:59 17 Jun 05:31 25 Jun 06:46
02 Jul 16:16 09 Jul 07:55 16 Jul 18:38 24 Jul 22:18
01 Ago 00:12 07 Ago 14:31 15 Ago 09:29 23 Ago 11:56
30 Ago 07:37 06 Set 00:10 14 Set 01:33 21 Set 23:41
28 Set 15:26 05 Out 13:47 13 Out 18:08 21 Out 10:39
28 Out 01:38 04 Nov 08:23 12 Nov 11:34 19 Nov 19:11
26 Nov 13:06 04 Dez 04:58 12 Dez 03:12 19 Dez 02:57
26 Dez 03:13
Principais chuvas de meteoros

A tabela abaixo contém os dados das principais chuvas de meteoros para 2018.

Nome da Chuva Período de vigência Máximo Taxa* Brilho
Liridas 16 Abr – 25 Abr 22 de Abril 18 Intenso
Eta Aquaridas 19 Abr – 28 Mai 6 de Maio 50 Intenso
Delta Aquaridas 12 Jul – 23 Ago 28 de Julho 25 Intenso
Perseidas 17 Jul – 24 Ago 12 de Agosto 150 Intenso
Orionidas 2 Out – 7 Nov 21 de Outubro 15 Intenso
Leonidas 6 Nov – 30 Nov 17 de Novembro 15 Intenso
Geminidas 4 Dez – 17 Dez 14 de Dezembro 120 médio

* A taxa se refere ao número médio de meteoros observados durante o período de 60 minutos, na situação hipotética do radiante (local aparente de origem dos meteoros) se encontrar exatamente no ponto mais alto do céu.

Glossário
Conjunção: Instante em que dois astros aparecem alinhados ou bem próximos um ao outro, do ponto de vista da Terra. Uma conjunção pode ocorrer, por exemplo, entre um planeta e o Sol, um planeta e a Lua ou entre dois planetas.


Oposição: ocorre quando um planeta está em posição oposta ao Sol, quando observado da Terra. Em outras palavras, indica que o planeta está a 180o da posição do Sol. Os instantes de oposição são os mais indicados para observação dos planetas externos à órbita da Terra.


Máxima elongação: refere-se a uma posição especial para os planetas Mercúrio e Vênus, quando vistos da Terra. Nessa configuração, esses planetas encontram-se em suas melhores posições para observação, tanto a leste (antes do amanhecer), quanto a oeste (no começo da noite).


Eclipse lunar: Momento em que Sol, Terra e Lua estão perfeitamente alinhados, com a Terra posicionada entre o Sol e a Lua. Nessa situação, os raios solares são interceptados pela Terra, que projeta na Lua sua sombra, produzindo o eclipse. Os eclipses lunares podem ser totais, quando a Lua é completamente encoberta pela sombra da Terra ou parciais, quando apenas parte da sombra terrestre é projetada na Lua.


Eclipse solar: Momento em que Sol, Terra e Lua estão perfeitamente alinhados, com a Lua posicionada entre a Terra e o Sol. Nessa situação, os raios solares são interceptados pela Lua que projeta na Terra sua sombra, produzindo o eclipse. Tais como os eclipses lunares, os solares podem ser totais ou parciais.


Superlua: Fenômeno que ocorre quando a Lua, na fase nova ou cheia, está em seu ponto de menor distância com a Terra. Geralmente o termo superlua é mais utilizado para a Lua cheia que, devido ao fato de estar, nessa ocasião, mais próxima da Terra, tem brilho geralmente maior que as outras Luas cheias ocorrentes durante o ano.


Trânsito: Em Astronomia, o trânsito se refere ao instante em que um astro, de menores dimensões, passa em frente a um outro, de tamanho maior. Com relação aos planetas do Sistema Solar, para um observador na Terra, ocorrem apenas os trânsitos dos planetas Mercúrio e Vênus em frente ao Sol, embora estes sejam eventos raros.


Aglomerado estelar: Refere-se a um conjunto de estrelas que, em geral, possuem propriedades similares como idade, distância e brilho de suas componentes.


Nebulosa: região difusa formada, basicamente, por gás e poeira interestelar. Embora algumas nebulosas possam ser restos de estrelas mortas, as maiores nebulosas conhecidas são regiões onde novas estrelas estão sendo formadas.


Galáxia: Enorme conjunto ou sistema contendo estrelas, planetas, nebulosas e poeira interestelar. Uma galáxia típica como a Via Láctea ou Andrômeda pode conter até 200 bilhões de estrelas.

Dúvidas sobre o Calendário de Fenômenos Astronômicos 2019?

Visitas guiadas ao Observatório do Valongo
Terças às sextas-feiras – 11 às 16h


Sessão de observação dos astros com telescópios
Todas as quartas-feiras – período noturno


Escreva para o email mello@astro.ufrj.br ou ligue para o tel. (21) 2263-0685, ramal 236.

4 – Exposições realizadas pelo Observatório do Valongo

Observatório do Valongo da UFRJ, realizou, duas grandes exposições temáticas dentro de um projeto de extensão que buscou investigar a relação da astronomia com o público. A primeira exposição, intitulada “Maravilhas do Universo”, ocorreu em 2009, e apresentava imagens de objetos astronômicos obtidas com grandes telescópios. Nosso objetivo de pesquisa foi simplesmente observar a percepção do público em geral ao tema a partir da frequência e da análise dos registros de visitas. A segunda, “Olhares para o Céu”, ocorreu em 2012, apresentou a evolução do pensamento científico desde os tempos mais remotos até a conquista do espaço. Nesta última, demos maior atenção a visitação das escolas, com o objetivo específico de perceber como os conteúdos trabalhados em espaços não-formais podem ser incorporados ao ensino escolar. Nesse sentido, escolhemos duas escolas públicas do Ensino Fundamental, que foram convidadas a visitar a exposição e para as quais foram elaboradas ações pré e pós-visita. Além dessas duas, também realizamos uma exposição no centro cultural Horácio Macedo em 2011, “130 anos do Observatório do Valongo” e outra na Casa da Ciência, em 2009, “Astronomia para poetas”, a qual foi complementada por palestras.

Exposição “Maravilhas do Universo” – 2009
Coordenação: Prof. François Cuisinier

Equipe: Prof. Carlos Rabaça
             Profa. Silvia Lorenz-Martins
             Dr. Rundsthen Vasques de Nader
             Profa. Maria Machado (UNIRIO)

Resumo:

A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2009 como o Ano Internacional da Astronomia. Esse evento único estabeleceu um marco para compartilhar com o grande público os mais belos e interessantes resultados do estudo do Universo. Essa também foi uma grande oportunidade de celebrar a relação do homem e da sociedade com o cosmos, divulgando grande parte de nossa herança cultural científica de maneira acessível e atrativa ao cidadão.

Com essa ideia, montamos uma exposição itinerante de imagens astronômicas que, foram dispostas na UFRJ, na Casa da Ciência e no Centro Cultural dos Correios com a finalidade de divulgar nossos conhecimentos para um grande número de pessoas. Essas exposições, juntamente com palestras e oficinas voltadas a população divulgaram a Astronomia durante o Ano Internacional da Astronomia, apresentando resultados importantes das pesquisas desenvolvidas na área nos últimos anos.

O primeiro público-alvo potencial imaginado por nós, era constituído de pessoas que possuem uma grande curiosidade científico-cultural e são grandes consumidores de produtos culturais no sentido mais amplo. Em geral, estas pessoas são frequentadores de centros socioculturais, e são naturalmente atraídos por centros de divulgação astronômica, como planetários – ou até eventos. Para este público, que é o público natural de qualquer evento de divulgação em astronomia, foi realizada uma exposição fixa no Centro Cultural dos Correios, de 14 de agosto à 15 de Setembro e recebeu um público de 14.000 visitantes.

Esta exposição foi constituída de 40 painéis fotográficos de objetos astronômicos, selecionados por sua natureza estética, ou espetacular. Paralelamente houve uma exposição reunindo sete artistas plásticos tratando da visão da arte sobre a ciência; exibição de vídeos; espetáculo de teatro e contação de histórias para crianças. Tudo isso em cerca de 1.000m² de área.

Outro destaque dessa exposição foi o planetário inflável, composto por uma abóbada de lona, semelhante a uma barraca iglu gigante, com 3,2 metros de altura e 6,4 metros de diâmetro. Sua estrutura pode receber entre 20 e 25 adultos ou 30 crianças em cada apresentação. No seu interior, um projetor é capaz de simular a representação do céu durante uma noite estrelada na cidade do Rio de Janeiro ou mesmo de qualquer outra localização no hemisfério Sul, o que permite ao público aprender sobre o céu e os seus movimentos. Outros 15 cilindros podem reproduzir as constelações dos dois hemisférios, objetos fracos, não visíveis a olho nu, e o movimento da Lua e da Terra em relação às estrelas e ao Sol.

Exposição “Olhares para o Céu: a evolução do pensamento até a conquista espacial” – 2012
Coordenação: Prof. Carlos Rabaça

Equipe: Profa. Silvia Lorenz-Martins
             Dr. Rundsthen Vasques de Nader
             Profa. Maria Machado (UNIRIO)
             Dr. Cláudio Bastos pereira (Observatório Nacional – MCTIC)

Resumo:

O céu e seus mistérios sempre fascinaram a raça humana. Em todas as civilizações na história, conceituação do céu pode ser percebida tanto na conjunção de preocupações materiais, como a alternância dos dias, estações e anos, como na antecipação de um “mundo que está além de nós”, pressentido através das nossas limitações físicas e cognitivas e da própria mortalidade. Foi com o somatório dessas distintas percepções que o homem se lançou, a pouco mais de um século, na grande aventura da exploração espacial.

Para celebrar o quinquagésimo primeiro aniversário do primeiro homem no espaço, o cosmonauta Yuri Gagarin, o Observatório do Valongo/UFRJ, o Observatório Nacional e a UNIRIO realizaram a exposição “Olhares para o Céu”, no Centro Cultural Correios em 29 de março até 6 de maio de 2012.

A exposição procurou demonstrar que a conquista espacial, um dos maiores feitos − se não o maior − da humanidade, é mais do que apenas uma resposta a questões objetivas – é o fruto de vários olhares lançados para o céu e que, pela repetição sistemática das incontáveis gerações, foram capazes de recriar sempre um novo encantamento.

Os destaques da exposição ficaram por conta de uma reprodução da superfície lunar, em que o visitante pôde se sentir como se estivesse no satélite, e o “Portal para o amanhã”, parede em que terá a oportunidade de deixar registrado o recado que gostaria de mandar para civilizações extraterrestres. Em um pouco mais de um mês registramos a presença de cerca de 14.000 visitantes

Entrevistas concedidas e outras participações em mídias

Os professores do Observatório do Valongo sempre estão à disposição dos meios de comunicação para dar entrevistas.

Prof. Adrian Colucci

1) Data: 21/09/2016

Painel da Manhã (Rádio Roquette-Pinto)
Planeta Próxima b

2) Data: 27/07/2016

Rádio MEC
Sobre planetas fora do Sistema Solar

3) Data: 04/04/2017

Entrevista na TV Petrópolis sobre a descoberta do sistema extrassolar Trappist-1, que contém 7 planetas similares à Terra em tamanho.

https://www.youtube.com/watch?v=rq6uiqEJ5RI

4) data: 25/05/2017Jornal Correio Braziliense
Sobre a missão JUNO em Júpiter:

Prof. Alexandre Lyra de Oliveira

1) Data: 2016

Rádio MEC AM / Programa Todas as Vozes –
Teoria da Relatividade Geral

Profa. Diana Andrade

1) Data: 2016

Radio MEC AM, Programa Ciência no Rádio,

Astroquímica experimental com ênfase em pesquisas desenvolvidas no Brasil.

Prof. Gustavo Porto de Mello

1) Data: 24/04/2014:

https://web.archive.org/web/20180325210111//www1.folha.uol.com.br/ciencia/24014/04/1444584-brasileiros-cacam-estrelas-gemeas-do-sol-por-analise-de-cor.shtml

2) Data: 12/05/2014:

https://web.archive.org/web/20180325210111/http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/6-planetas-com-grandes-chances-de-abrigar-vida/" target=

3) Data: 2014

/web.archive.org/web/20180325210111/http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2014/12/04/distancia-e-radiacao-sao-os-desafios-para-viagens-tripuladas-a-marte.htm

4) Data: 2014

Revista Galileu

Pauta sobre os efeitos psicológicos que os astronautas sofrem durante uma viagem espacial

5) Data: 2015

Entrevista telefônica : Planeta Kepler-452b

6) Data: 2015

Revista Mistérios do Universo,
Astrobiologia,o que é vida, Marte e Plutão, vida microbiana, vida inteligente.

7) Data: 2015

Entrevista telefônica Revista Mundo Estranho: Panspermia

8) Data: 2016

Entrevista telefônica Revista Mundo Estranho: E se a Terra tivesse anéis como Saturno? Como seria?

9) Data : 2016

Entrevista telefônica Rádio MEC: Detecção de água em Europa

10) Data: 12/04/2017

Veja online: Água em Encélado presença de H2

11) Data: 02/06/2017

//web.archive.org/web/20180325210111/http://www.audioativo.com/"

12) Data: 25/09/2017

Ciência do Portal UOL: Definição de vida, busca de água no Sistema Solar, e zona habitável.

13) Data: 16/12/2017

Entrevista televisiva – Programa Hora do ENEM: O CURSO E A CARREIRA DE ASTRONOMIA, TV Escola – Fundação Roquette Pinto – em 13/12/2017

Profa. Heloisa Boechat Roberty

1) Data da entrevista: 2014

Revista FAPESP, “Moléculas no espaço

https://web.archive.org/web/20180325210111/http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/09/16/moleculas-espaco

2) Data da entrevista: 2015

Rádio 1080 MHz da UFRGS : Astroquímica

3) Data da entrevista: 2016

Revista FAPESP: “Planetas com cauda”

href="https://web.archive.org/web/20180325210111/http://revistapesquisa.fapesp.br/2016/04/19/planetas-com-cauda/?cat=ciencia" target="_blank">http://revistapesquisa.fapesp.

4) Data: 2016

Meio: Pagina do Instituto de Física da UFRJ
http://www.if.ufrj.br/destaque

Titulo: “Moléculas duplamente ionizadas em ambientes astrofísicos”

5) Data: 2016

Meio: pagina do OV
http://www.ov.ufrj.br/os-ingre

Titulo: “Os ingredientes da vida na poeira estelar”

6) Data : 2016
Meio de comunicação: UOL Noticias Ciência e Saúde
http://noticias.uol.com.br/cie (ou assunto):
Titulo: “Moléculas na poeira estelar resistem milhões de anos e podem gerar vida”

7) Data: 2017

Debate conduzido pelo jornalista Renato Farias, tema “Mulheres nas ciências”

Canal FIOCRUZ

http://www.canal.fiocruz.br/video/index.php?v=Mulheres-na-Ciencia-SDC-0395

Prof. José Adolfo de Campos

1) Data da entrevista: 2009

Meio de comunicação: Jornal O Fluminense: O Estudo do Universo”

2) Data da entrevista: 2016

Meio de comunicação: Rádio MEC

Título: “História do ensino de astronomia no Brasil”

Profa. Karín Menéndez-Delmestre

1) Data da entrevista: 5-9 de outubro de 2015

Meio de comunicação: Twitter do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (@mcti): Enigma da evolução das galáxias em debate, ao vivo

2) Data: 09/2016

Meio de comunicação: Revista Galileu: “Cientistas superpoderosas” — entrevista às ganhadoras do Prêmio Para Mulheres na Ciência da L’Oréal e UNESCO em colaboração com a Academia Brasileira de Ciências

3) Data da entrevista: 08/out/2015

Meio de comunicação: filme, disponível via youtube

Título: Entrevista no Observatório do Valongo (OV/UFRJ) à vencedora do prêmio para Mulheres na ciência 2015 na área de Ciências Físicas

4) Data da entrevista: 27/10/2015

Meio de comunicação: blog Lugar de Mulher: O mundo precisa de ciência e a ciência precisa de mulheres

5) Data: 2017

Entrevista em 11/2016, mas “publicada” em abril/2017

“Divulgação de modelos femininos para atingir a igualdade de gênero na ciência: as mulheres na astronomia e astrofísica como parte das atividades de extensão do CDCC” pela aluna aluna do curso de Bacharelado em Física do Instituto de Física de São Carlos-USP, Camila Beli Silva (Orientadora: Manuela Vecchi, IFSC-USP)

Prof. Marcelo Assafin

1) Data: 2007

Revista FAPESP: Figura 3D do asteroide binário 90 Antíope

2) Data: 2009

Rádio Difusão, programa “UNESP Toque da Ciência” : Fenômenos de Urano, Nomenclatura de Planetas, Formação do Sistema Solar, Vida, Big Bang

3) Data: 2009

Revista FAPESP: Fenômenos Mútuos de satélites de Urano

4) Data da entrevista : 1ª semana de Março de 2010

Jornal Diário da Vida Urbana, de Pernambuco: Ocultação do Objeto Transneptuniano Varuna

5) Data: 2010

Entrevista ao site do Yahoo!: Ocultação de Delta Ofiucus pelo asteroide Roma, visível a olho nu do Pará, Rondônia e Mato Grosso

6) Data: 2011

Revista Veja: O tamanho do planeta anão Eris em relação ao tamanho de Plutão, depois da ocultação estelar por nós prevista e observada em 6 de Novembro de 2010

7) Data: 2011

Revista FAPESP: A ocultação estelar por Eris

8) Data: 2011

Revista da Fundep: A ocultação estelar por Eris

http://www.fundep.ufmg.br/cmi/pagina.aspx?1408

9) Data: 2014

TV Globo, GloboNews: Os anéis de Chariklo

Prof. Paulo Lopes

1) – GIBNEY, E. ; Lopes, P. A. A. . Nature News: Earth’s new address: ‘Solar System, Milky Way, Laniakea’. 2014. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

http://www.nature.com/news/

Prof. Thiago S. Gonçalves

1) 15/12/2014

Revista Istoé: Um olho muito grande no céu

http://istoe.com.br/396417_UM+

2) 19/04/2015

Programa Fantástico, TV Globo

Título da matéria: Hubble completa 25 anos registrando imagens incríveis do Universo

http://g1.globo.com/

3) 25/04/2015

Rádio CBN: Telescópio Hubble completa 25 anos sem saber por quantos mais funcionará

http://cbn.globoradio.globo.

4) 30/01/2017

UOL : Quer ser um astrônomo amador? Aprenda a observar o céu com profissionais

https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2017/01/30/quer-ser-um-astronomo-amador-aprenda-como-observar-o-ceu.htm

5) 02/2017

Conexão UFRJ: Ora, direis: para que ver astros?

https://conexão.ufrj.br/node/51

6) 16/02

Galileu: Não, o mundo não vai acabar hoje

Galileu, 16/02
http://revistagalileu.globo.com/blogs/buzz/noticia/2017/02/nao-o-mundo-nao-vai-acabar-hoje.html

7) 16/02

Metro: Fique calmo! Nasa afirma que mundo não vai acabar nesta quinta-feira

https://www.metrojornal.com.br/mundo/2017/02/16/fique-calmo-nasa-afirma-que-mundo-nao-vai-acabar-nesta-quinta-feira.html

8) 04/05

Radio Nacional: Qual a importância da observação do céu e do conhecimento dos astros?

http://radios.ebc.com.br/tema-livre/2017/05/qual-importancia-da-observacao-do-ceu-e-do-conhecimento-dos-astros

9) 30/06

veja: Dia do Asteroide: eventos no Brasil alertam para catástrofes

https://veja.abril.com.br/ciencia/dia-do-asteroide-eventos-no-brasil-alertam-para-catastrofes/

10) 12/09

veja: A astronomia segue viva no Brasil

https://veja.abril.com.br/ciencia/a-astronomia-segue-viva-no-brasil/

11) 16/10

veja: Ondas gravitacionais são detectadas em estrelas de nêutrons

https://veja.abril.com.br/ciencia/ondas-gravitacionais-sao-detectadas-em-estrelas-de-neutrons/

12) 16/10

Galileu: Fusão de estrelas de nêutrons é observada em luz e ondas gravitacionais

http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Espaco/noticia/2017/10/fusao-de-estrelas-de-neutrons-e-observada-em-luz-e-ondas-gravitacionais.html

13) 10/11

UOL: Batizando uma estrela: empresas vendem nome de astros para presente

https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2017/11/10/batizando-uma-estrela-empresas-vendem-o-nome-de-astros-mas-isso-vale.htm

14) 13/11

UOL: Você viu bola de fogo no céu de SP? Astrônomos dizem se veio do espaço…

https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2017/11/13/voce-viu-bola-de-fogo-no-ceu-de-sp-astronomos-dizem-se-veio-do-espaco.htm

Prof. Wagner Marcolino

1) Data da entrevista: 03 de Agosto de 2016

Radio MEC AM 800 kHz: A morte das estrelas

2) Data: 2012

Corrida espacial: 55 anos (entrevista WEB)

http://www.terra.com.br/noticias/ciencia/infograficos/corrida-espacial-55-anos

3) Data: 2015

Título: Olimpíadas de Astronomia se fortalecem no Brasil (entrevista WEB).

http://comciencia.br/novo/?geral=olimpiadas-de-astronomia-se-fortalecem-no-brasil

Astrônomo Daniel Mello

  • Jornal Correio Braziliense em 19 de Março de 2015;
  • Assunto: Eclipse solar, mídia digital, impressa;

    1. Revista VEJA em 30 de julho de 2015;

    Assunto: Missão Rosetta, mídia digital;

    1. Entrevista para Deserto Filmes e gravação do programa em websérie UM Dia D, com a profissão Astrônomo;

    Assunto: carreira astronomia, mídia digital;

    1. Entrevista Agência Brasil de notícias em 22/03/2015;

    Assunto: Visitação Pública do Observatório do Valongo, mídia digital

    1. TV Alerj em maio 2015, programa Nos bastidores:

    Assunto: Visitação Pública do Observatório do Valongo, mídia digital

    1. Por tal de notícias UOL em 28/08/2015

    Assunto: Sonda New Horizons, mídia digital;

    1. Revista VejaRio em 20/10/2015:

    Assunto: Chuva de meteoros Orionídeos, mídia digital

    1. Jornal A Tribuna de Santos em 27/09/2015:

    Assunto: eclipse lunar, mídia digital, impressa

    1. Jornal Destak Rio em abril 2015:

    Assunto: Divulgação Astronomia, Visitação Pública do Observatório do Valongo, mídia impressa, digital

    1. Portal de notícias UOL em 11/12/2015:

    Assunto: Água em exoplanetas, mídia digital;

    1. Revista VejaRio em 21/03/2016:

    Assunto: cometas gêmeos passam próximos da Terra, mídia digital;

    1. Revista VejaRio em 20/05/2016:

    Assunto: A conjunção de Marte em 2016

    1. Programa de Debate “Cabeça para cima”, TV Boas Novas em outubro de 2015:

    Assunto: a influência dos planetas na Terra, mídia digital.

    1. Revista VejaRio em 27/06/2016:

    Assunto: Missão Juno, mídia digital

    1. Revista VejaRio em 28/07/2016:

    Assunto: Chuva dos meteoros Delta Aquarideos e Perseidas

    1. Programa de debate Painel da Manhã, rádio Roquete Pinto FM em 05/09/2016:

    Assunto: O planeta Próxima b, mídia digital

    1. Programa todas as Vozes, ciência no Radio na rádio MEC AM em 21/09/2015:

    Assunto: Vida no Universo e a Lua Europa, mídia digital

    1. Revista VejaRio em 04/10/2016:

    Assunto: três Superluas, mídia digital;

    1. Entrevista TV Brasil em Setembro 2015:

    Assunto: Uso de aplicativos em Astronomia, mídia digital.

    1. Revista VejaRio em 31/05/2016:

    Assunto: Semana de Marte no Observatório do Valongo, mídia digital

    Este relatório descreve brevemente as atividades de extensão realizadas pelo Observatório do Valongo no período de 2006 a 2016:

    Relatório Extensão 2006 – 2016

    1- Curso de extensão Introdução à Astronomia

    A Astronomia é uma das ciências que mais exercem fascínio e interesse do público leigo, mesmo daqueles que possuem pouco ou nenhum conhecimento sobre a ciência. Este interesse pela Astronomia provém principalmente do fato de ser a Astronomia uma ciência relacionada a questionamentos fundamentais do ser humano, como a origem da Terra e do próprio Universo. Cotidianamente os meios de divulgação sempre noticiam algum fato ligado a eventos astronômicos, seja sobre a descoberta de um novo planeta, do risco das explosões solares ou acerca de um asteroide que passará próximo da Terra. Entretanto, contraditoriamente, os conceitos básicos da Astronomia são ainda pouco compreendidos pela grande maioria da população, devido a uma série de possíveis fatores, tais como falha no rigor técnico na divulgação pelos meios de comunicação em ciência, o ainda incipiente envolvimento da comunidade acadêmica brasileira na divulgação de suas atividades científicas ao público e a metodologia equivocada de ensino de ciências nas escolas de nível fundamental e médio. Atividades de extensão universitária podem contribuir para uma melhoria deste quadro através de ações que visem não só inteirar a sociedade das atividades de ensino e pesquisa que são realizadas nas Universidades, mas promover uma maior participação popular e uma avaliação mais crítica do papel na ciência no passado, presente e futuro. Dentro deste contexto de atividades em extensão, a Astronomia possui forte apelo popular, cultural, de promoção e inclusão social e pode despertar o interesse imediato pela ciência entre o público, principalmente em jovens e crianças.

    O curso de Introdução à Astronomia é um esforço do Observatório do Valongo para difundir o conhecimento astronômico entre o público leigo. Com frequência semanal de 2 horas de duração, o curso totaliza carga horária de 16 horas. Cada aula é divida em duas partes: aula expositiva com duração de uma hora e aula de observação dos astros ao telescópio ou aula prática com mais uma hora de duração. As aulas expositivas abordam os principais temas em Astronomia e os tópicos mais atraentes da atualidade, entre o público. As aulas de observação (ou práticas, com oficinas) buscam complementar e fixar os conhecimentos adquiridos através do contato com o céu e as metodologias de observação dos astros.

    1.1 – Participantes
    Turma I (janeiro e fevereiro de 2017):

    Julia Maria Vita Pinto
    Tatiane Valeria Medeiros Braga
    Nadja Carvalho Pereira
    Antonio Carlos Tancredo
    Lucas Brasil de Cerqueira
    Samara dos Santos Monteiro
    Mariana Freitas Prado
    Danilo Felipe Brígido de Almeida Buckentin
    Maria Celeste de Jesus
    Fabio Luís Machado dos Santos
    Mayara Alves Freire
    Rayane Rodrigues Gomes
    Silvio Augusto Merhy
    Géssica Alves de Souza
    Gisá de Figueiredo Biscaia
    Leonardo Ramos Almeida
    Rodrigo Gonçalves de Oliveira
    Marcelle Gomes do Nascimento
    Geraldo Luiz Santos Pires

    Turma II (agosto e setembro de 2017)

    Ismael Teixeira Vicente
    Mirelli Lima Saldanha
    Marcos Vinicius Teixeira Santiago
    João Paulo dos Santos de Sousa
    Anderson Pinheiro Aderaldo
    Julia dos Santos Vaz
    Aloan Sousa da Silva
    Sarah da Silva Duarte
    Thiago Xavier Gomes
    Renato Alhadas da Silva
    Omayra Beatriz Ferreiro Balbuena
    Bernardo Campbell Braga Ferreira
    Vicente de Nigris Filho
    Luiz Felippe Franco
    Sheila Marques dos Santos
    Nicole Cintra Moreira

    Turma III (maio de 2018)

    Leonardo de Moura de Carvalho
    Ubirajara dos Santos Leal
    Clay Fazzioni de Melo
    Gustavo Rodrigues de Góes
    José Claudio Paes Pires
    Nauan Zanetti
    Roberta Pires Aguirre
    Valéria Pires de Lima
    Samara Ferreira Santos
    Jefferson Horácio da Silva
    Gustavo Barçante Ladvocat Cintra
    Carlos Marcelo Ribeiro
    Fábio Henrique Mendes Pereira
    Bruna Vilarim Nascentes Coelho
    Bruna Vieira Tibúrcio
    Rodrigo Kappes Marques
    Larissa Pace Leite
    Vera Maria Costa Barros
    Raphael Cardoso dos Reis
    Paula Marçal Pinto de Almeida
    Raphael Oliveira Cunha
    Natassja Oliveira Menezes
    Isabela Costa Pinheiro de Miranda
    José Augusto de Miranda
    Luana Romano Braga

    Turma IV (abril de 2019)

    Camille Bianck de Oliveira
    Isabel Pacheco Brasil de Matos
    Albina Mikhraliieva
    Felippe Augusto Barros de Souza
    Bruna Maria Rodrigues Monteiro
    André Luiz do Nascimento de Melo Sobral
    Pedro Henrique Ferraz Martins
    Carlos José de Oliveira Ayres
    Maren Krieger Oliveira Ayres
    Manoel Pacífico
    Álvaro Sena Cerutt Augusto
    Nathália Jorge Sarte
    Caio José Andrade Pacheco
    Marcelo Carvalho Moraes
    Alan Correia Timbó
    Aurea da Costa Mantoan
    André Luiz de Miranda Valle
    Rauane Moraes de Barros
    Cynthia Oliveira de Aquino
    Patricia Henriques Mafra
    Julia Eberhardt
    Mariana Carrera Jardineiro
    Pedro Henrique Herig Coimbra
    Viviane Veloso Pereira Rodegheri

    1.2 – Cronograma geral do curso:
    Aula 1 – O que é Astronomia e o que os astrônomos fazem?
    Aula 2 – O céu pertence a todos: identificando os astros
    Aula 3 – A Terra e a Lua
    Aula 4 – O Sistema Solar e seus componentes
    Aula 5 – O Sol e as outras estrelas
    Aula 6 – Existem planetas em outras estrelas?
    Aula 7 – Vida aqui e em outros mundos: Astrobiologia
    Aula 8 – As galáxias, a cosmologia e o Universo

    1.3 – Equipe
    Dr. Daniel R. C. Mello (astrônomo, coordenador do curso)
    Taylan Sales Silva (graduando monitor, turma II e III)
    Marcelle Gomes do Nascimento (graduanda monitora, turma II)
    Marco Laversveiler Paiva (graduando monitor, turma IV)
    Jonatã Arcas Silva (graduando monitor, turma III e IV)
    Natasha Costa da Fonseca (graduanda monitora, turma IV)
    Jezebel Oliveira (graduanda monitora, turma IV)
    Igor Borgo Duarte Santos (graduando monitor, turma III)

    2- Curso de extensão Introdução à Astrofotografia

    O Curso de Introdução à Astrofotografia tem o objetivo de oferecer ao interessado as noções básicas relacionadas ao mundo da Astrofotografia, as técnicas e os equipamentos utilizados, os principais astros de interesse e as orientações práticas importantes para a obtenção de sucesso nesse ramo da fotografia. Com carga horária total de 10 horas, o curso é dividido em 4 aulas, incluindo uma sessão prática de Astrofotografia. O projeto teve início em novembro de 2019.

    2.1 – Participantes
    Turma I (novembro de 2018):

    Jose Claudio Paes Pires
    Leonardo de Moura de Carvalho
    Clay Fazzioni de Melo
    Ubirajara dos Santos Leal
    Victor Hugo de Paula Capilé de Souza
    Tiago Ferreira de Abrantes
    Giovanna Carneiro Ronzé Pedreira
    Marcos André Fernandes Cruz
    Pedro Henrique Cavalcante de Andrade
    Alvaro de Sena Cerutt Augusto
    Nathália Jorge Sarte
    Fabio Henrique Mendes Pereira
    Edison de Souza Garcia
    Maria Bandeira de Carvalho
    Alessandro de Oliveira Ossola Ribeiro
    Traian Matisi de Lima Vaz
    Lidiane Patricia da Cruz Fernandes
    Geraldo Luiz Santos Pires
    Hudson Carvalho Torquato de Lima
    Isabel Alverga-Wyler de Nonno

    Turma II (julho de 2019)

    Yuri Habibe Jorge
    George Henrique da Silva Guerra
    Fábio Marques Borges
    Thiago Scalzo Lopes
    Olavo Junqueira Ferreira Lopes Vilela Salgado
    Giuliano Mantovi Silva
    Alan Correia Timbó
    Rafael do Sacramento Carlos
    Marcos Vinícius Teixeira Santiago
    Aline de Jesus Viana
    Elisa Cristine da Conceição Osório

    2.2 – Cronograma geral do curso:
    1 – Conceitos básicos de fotografia
    2 – Conceitos astronômicos importantes na fotografia
    3 – Alvos astronômicos de interesse
    4 – Fotografia lunar
    5 – Equipamentos indicados
    6 – Softwares recomendados
    7 – Problemas e soluções em Astrofotografia

    2.3 – Equipe
    Dr. Daniel R. C. Mello (astrônomo, coordenador geral do curso)
    Igor Borgo Duarte Santos (idealizador e professor do curso)

    2- Curso de extensão Estrelas

    O Curso de Estrelas tem o objetivo de oferecer ao interessado os conceitos básicos de estrelas; nascimento, evolução e morte de estrelas. Com carga horária total de 8 horas, o curso é dividido em 4 aulas. O projeto teve início em setembro de 2018.

    2.1 – Participantes

    Turma I (setembro de 2018)

    Jose Claudio Paes Pires
    Ubirajara dos Santos Leal
    Clay Fazzioni de Melo
    Ismael Teixeira Vicente
    Dominike Oliveira da Silva
    Manoel Pacífico
    Isabela Costa Pinheiro de Miranda
    José Augusto de Miranda
    Carlos Marcelo Ribeiro
    Andreia Santino de Oliveira
    Marcus Roberto Andrade de Souza Penna
    Geraldo Luiz Santos Pires
    Tainá Martins Rodrigues Maciel
    Fernanda Leme de Rezende Carvalho
    Taís de Santana Ferreira
    Pedro Ivo Carvalho Freire
    Denize Dias de Carvalho
    Aurea da Costa Mantoan
    Thyago Rubens Cardim Pires
    Rachel Bruycker da Silva
    Ana Beatriz Aguiar Domingues Fialho
    Fabio Henrique Mendes Pereira
    Guilherme Cunha da Silva
    Nicole Luize Messias Bueno Rocha
    Maria Bandeira de Carvalho

    2.2 – Cronograma geral do curso:
    Aula 1 – O que são estrelas?
    Aula 2 – Do nascimento à idade adulta
    Aula 3 – A morte das estrelas pequenas
    Aula 4 – A morte das estrelas gigantes

    2.3 – Equipe
    Dr. Daniel R. C. Mello (astrônomo, coordenador geral do curso)
    Jonatão Arcas (graduando monitor)
    Natasha Costa (graduanda monitora)
    Marco Laversveller (graduando monitor)
    Jezebel Oliveira (graduanda monitoria)
    Marcelo Menezes (monitor)

    2- Curso de extensão Astrobiologia – a busca de vida no Universo

    A busca por vida extraterrestre ganhou enorme ímpeto recente com a identificação de milhares de planetas em outras estrelas (muitos possivelmente habitáveis), avanços na bioquímica e genética, permitindo uma profunda compreensão do funcionamento dos sistemas vivos, e os resultados espetaculares da exploração de nosso Sistema Solar. Faremos nesse minicurso uma introdução à ciência da astrobiologia, descrevendo os imperativos cósmicos para a evolução da vida tal como a conhecemos e discutindo tentativas de definição de vida, assim como sua origem, no contexto da Teoria Geral de Sistemas. No curso, será abordada a nossa atual compreensão da teoria da habitabilidade e feita a aplicação aos casos de Vênus e Marte. Com carga horária total de 4 horas, o curso é dividido em 2 aulas. O projeto teve início em junho de 2019.

    2.1 – Participantes

    Turma I (junho de 2019)

    Amanda Bezerra da Costa
    Fernanda Lemos Teixeira
    Brenda Belchior de Siqueira
    José Claudio Paes Pires
    Viviane Veloso Pereira Rodegheri
    Maria Celeste de Jesus
    Marcelo Carvalho Moraes
    Ubirajara dos Santos Leal
    Anderson Pinheiro Aderaldo
    Geraldo Luiz Santos Pires
    Thyago Rubens Cardim Pires
    Manoel Pacífico
    Clay Fazzioni de Melo
    Carlos Marcelo Ribeiro
    Giovanna Ronzé
    Monike Ribeiro
    Isabella Ribeiro da Silva
    Edison de Souza Garcia
    Pedro Artur da Silva Felix de Lima
    João Paulo dos Santos de Sousa
    Luiza do Amaral Rodrigues
    Jamile Chadud Montero
    Marcos Vinícius Teixeira Santiago
    Suelen Pereira
    Júlia Catarina Bastos Araújo
    Patricia Henriques Mafra
    Julia Eberhardt
    André Luiz de Miranda Valle
    Alex Krishna Caceres
    Antonio Padilha de Mello Franco
    Ismael Teixeira Vicente
    Aurea da Costa Mantoan
    Mariana Carrera Jardineiro
    Clara Ferreira Guerra
    George Henrique da Silva Guerra

    2.2 – Cronograma geral do curso:
    Aula 1
     O que é Astrobiologia?
     Surgimento e evolução da vida no contexto astronômico;
    Aula 2
     Planetas extrassolares;
     Habitualidade planetária;
     Vida em Vênus e Marte?
    (Sessão extra de observação dos astros ao final do curso)

    2.3 – Equipe
    Dr. Daniel R. C. Mello (astrônomo, coordenador geral do curso)
    Professor Gustavo F. Porto de Mello (professor do curso)
    Jonatã Arcas (graduando monitor)
    Marco Laversveller (graduando monitor)
    Marcelo Menezes (monitor)

    Coordenação
    Coordenador de Extensão: Dr. Daniel R. C. Mello
    Vice-coordenador: Dr. Rundsthen Vasques de Nader

    Telefones: 2263-0685
    2263-0006

    email: extensão@astro.ufrj.br